Total de visualizações de página

quinta-feira, 21 de maio de 2009

O SENTIMENTO DA ROCHA

  • O SENTIMENTO DA ROCHA
  • Um belo dia, de sua vida você sente que está ficando igual a uma pedra. Não no sentido da palavra, e sim na rigidez muscular que contracena com a rocha onde sua mente flutua e surfa sob todos os conceitos e sobre os problemas da vida. Isto é ser PARKSONIANO. Quando eu senti os primeiros sintomas até então visíveis, quanto à percepção, procurei várias opiniões de profissionais especialistas e vaguei por dois anos sem rumo, sem solução, mas com esperança. Em um dia ensolarado de janeiro de 1994 veio a confirmação. Como não sou de ferro, mas entrei em parafuso. Mas eu olhei o futuro, e o meu futuro estava bem perto de mim: era o Pedro, ainda aninhado no útero da mãe e nele, depositei uma responsabilidade não pra fugir da minha, mas para reforçar a vontade firme de lutar contra este mal. Não para vence-lo, e sim, tirar o seu melhor proveito, proveito este que traduz em um exemplo que é uma ótica diferente de ver a vida. Nasceu o Pedro e ele veio com todas as forças que um filho pode emanar de um Pai e eu prossegui minha vida de agrônomo feliz, cuidando das lavouras, das análises de solo, dos afazeres do dia a dia, montando a cavalo, tangendo boi, jogando canastra e andando neste mundo do meu Deus. Deus este, que me deu força e me dá sustentação pra prosseguir com meus projetos e a doença, aumentando o seu poder. Então, fui a mais um especialista em São Paulo. Arrependido voltei. Só ouvi que deveria chegar em uma cadeira de rodas pra ele ter uma solução. Estas pessoas na minha humilde avaliação, agem como se fossem semi-deuses, acima de tudo e de todos, mas a realidade é outra.Nós que compartilhamos este mal, sabemos que o importante é ter consciência de sua amplitude e capacidade de causar estragos em sua vida. Então meus amigos, é primordial dizer e sentir que está bem, mesmo que não aconteça no momento, pois a depressão mata e o PARKINSON, não. Aí, nasceu a Maria. Esta veio pra me enquadrar por não dizer, pagar os atrasados, fazer os meus acertos de contas, mas também pra me encher de alegria, porque o Pedro vem de Pedra e a Maria é a Mãe de Jesus. E é neste Jesus, que me ilumina e me dá força para ser feliz. mesmo que as cartas deste jogo não me são favoráveis, mas estou jogando, não pensando em perder, porém, chegar a um final com cartas na manga para poder ter margens de manobras e conseguir derrotá-lo.Este é o meu desejo e de todos que me cercam e que me amam, mesmo aqueles que não me conhecem, mas torcem por mim. Esta corrente forte, vencedora, vai com a minha, a sua, a nossa e a de vocês que estão lendo este texto. VONTADE DE VIVER, SAIREMOS VENCEDORES. Autor: Luciano Farias - Portador do Mal de Parkinson / Este texto foi escrito em 14/08/03.

Um comentário:

  1. Luciano, que belo texto e que forma corajosa de enfrentar uma adversidade como o Parkinson!
    Acho que você poderia divulgar mais o blog para que obtenha mais opiniões que seria a forma de se compartilhar estes sentimentos e a sua forma de lutar pela vida.

    ResponderExcluir